Trade Blog

Quer ser um líder? Seja um Executor

Quer ser um líder? Seja um Executor

O sonho de todo o profissional é atuar fora das operações. Não quer ser visto como alguém que toca o operacional, que executa o tático. Todos queremos ser percebidos como profissionais do escalão estratégico. Aqueles que olham de cima. Quem dita a regra do jogo. Aquele que delega a operação para o time. Já que o seu tempo valioso, precisa ser usado “com o que importa”: com a estratégia.


Quando assumimos este mindset cometemos duas falhas graves. A primeira: é imaginar que esta vida de glamour é símbolo de sucesso profissional. Quando o sucesso profissional reside na construção de cases de sucesso. A segunda é pensar que ser estratégico é ser melhor do que ser executor.



Assumir isso é o mesmo que acreditar que pensar em fazer o Google é maior do que construí-lo. Quantas pessoas tiveram a ideia do Google? Centenas de milhares talvez, mas apenas dois executaram. Para criar um case de sucesso seja ele um Guia de Execução que redefiniu a categoria ou o Google, é preciso roteirizar todos os caminhos que levam a realidade.


Para iniciar o plano de execução precisamos de uma ideia. Por exemplo: Realizar o lançamento de um produto que nos gerará diferenciação competitiva. Ótimo! Agora lá vai a primeira pergunta: Como? E a segunda pergunta: Com quem? São nas perguntas iniciais que passamos de fato entender se a ideia é exequível. Será que o perfil das pessoas que estão no time é o que necessitamos para a execução? Temos as ferramentas adequadas para executar este plano? Se a resposta para qualquer uma das questões for negativa, todo o plano tem que ser revisto. Sob risco de eventualmente não evoluir de imediato com uma aparente boa ideia. Após estas perguntas validadoras, poderemos evoluir para o desdobramento, que transformará um sonho em realidade. Ou seja, evoluir para a Execução.


Com isso, podemos passar a perceber que a EXECUÇÃO é maior do que a ESTRATÉGIA. Por que a EXECUÇÃO tem influência e modela a ESTRATÉGIA. E não o contrário como muitos acreditam. Por acreditar no contrário que inúmeras empresas geram conflitos internos. Empresas onde quem faz a ESTRATÉGIA, não pensa na EXECUÇÃO. O líder que não cria o roteiro da EXECUÇÃO, deixa lacunas na estratégia para que as pessoas façam remendos. E estes remendos não garantem a ESTRATÉGIA. Nestes casos, culpamos a ESTRATÉGIA pelo fato do insucesso. Começamos a escutar frases como: “a estratégia que adotamos foi errada.” ou "aquela estratégia na prática não funcionou"..


Para buscarmos RESULTADOS portanto, precisamos falar de EXECUÇÃO. Segundo Ram Charan, A EXECUÇÃO é composta por uma equação simples:E=(P+E+O).


Entendeu não é mesmo? Simples! Não? Então vamos lá…


Execução é igual a soma de pessoas, estratégia e operações. Ou seja, o composto de Execução é o domínio completo destes três elementos. Quando conseguimos roteirizar e validar nossa estratégia, junto a quem vai realizar de ponta a ponta e como vai ser operacionalizada, aí conseguiremos executar. E assim nos aproximamos do resultado esperado.


Então, se você é um executivo, seja um gerente ou um diretor, e não acompanha este desdobramento operacional das estratégias, a sua chance de vitória e derrota são incalculáveis. Se torna quase que um grande jogo de aposta. E por muitas vezes todos nós delegamos ao destino a execução sob a chancela de não “consigo me envolver” ou pior ainda “tenho coisas mais importante do que isso para fazer”. Nada pode ser mais importante do que acompanhar o desdobramento da execução. Nenhuma outra agenda ou reunião, podem ser mais importante do que verificar todos os possíveis pontos de ruptura de um projeto. Isso não é tático. Isso é sistêmico. São os sistemas de acompanhamento contínuos que fazem com que a execução aconteça.



O papel do líder nas organizações é implantar a cultura da execução na organização. A cultura da execução modela o resultado das ações. E como faço para criar a cultura da Execução no meu time? Processos. Processos simples, processos que atuam como roteiros. Não são laudas do departamento. São processos que precisam estar no DNA da rotina do time. Esses processos precisam contemplar 90% das atividades do setor. Deixando apenas um pequeno espaço para correções de rota. Pequenos espaços permitem uma inovação controlada que pode contribuir para a melhoria contínua do processo. Grandes espaços no roteiro geram retrabalhos e gasto de energia. Time com DNA de Execução sugere melhorias através da experiências de muitos projetos realizados em curto prazo. Não muitas melhorias em poucos projetos. Processos vazios se tornam abstrações.


Processos detalhados e sólidos reduzem lacunas para falhas. Com detalhamento a gestão passa a não avaliar apenas UM resultado. Se foi realizado ou não. Mas passa a avaliar diversas oportunidades de melhorias e ganhos ao longo do processo. Isso faz com que as pessoas se elevem como time. Estes processos devem ter metas e avaliações em períodos mais curtos. Em um mercado tão dinâmico quanto o nosso, os resultados devem ser medidos em de forma trimestral e não anual. As pequenas metas são essenciais para medir a eficiência do time e do projeto.


Vamos fazer um resumo até aqui:


●EXECUÇÃO É a lacuna entre o que queremos e o que temos habilidade para fazer. ●EXECUÇÃO É o hiato entre o sonhos e a realidade. ●EXECUÇÃO NÃO pode ser desenhada, precisa ser redigida. ●O BOM TREINADOR desenha a estratégia do jogo. Roteiriza ela. Não delega a aplicação e o acompanhamento do treinamento. E com isso, consegue perceber no detalhe o precisa ser mudado para garantir o resultado do jogo.


Para finalizar vamos falar deste líder executor. O que é importante destacar para se tornar um grande líder de EXECUÇÃO. Vamos dividir este tema em 5 comportamentos do EXECUTOR:


Dica #01 - Faça um diagnóstico do ambiente Estar completamente inserido com o time e com a cultura da empresa fará com que seja mais fácil evitar resistências passivas (ou até ativas). Estando completamente envolvido você conseguirá aprender tudo o que precisa para executar os projetos através do time.


Dica #02 - Tenha metas claras e simples Não seja aquele pessoa que estufa o peito para dizer coisas como "possuo uma longa lista de prioridades". Este tom atarefado e com pompa de importância, demonstra falta de foco. E falta de foco impedem o resultado. Tenha poucas prioridades no seu horizonte. Saiba escolher de forma cuidadosa e pensada as suas prioridades. Estas metas precisam influenciar diretamente o seu resultado. E por fim, elas precisam ser metas simples. Que sejam compreendidas muito facilmente entre os envolvidos. Metas complexas tendem a não ser executadas.


Dica #03 - Seja pé no chão Ter metas e planos que sejam completamente alinhados com a realidade. Seja ultra racional, com os prós e principalmente com os contras. Naturalmente temos uma predileção de evitarmos pensar em pontos fracos. Quando pedimos para alguém citar os pontos fortes da empresa ou de um colega, a lista é criada de forma muito mais fluida. Agora quando pedimos para apontar os pontos fracos, a maioria titubeia. Mas para a execução é importante não ter esse tipo de melindre. Apesar de gerar desconforto, evita gasto inapropriado de energia de todos.


Dica #04 - Conclua tudo o que foi listado Metas realistas, claras e simples, não geram nenhum resultado se não forem levadas a sério. Uma das principais falhas de execução está na continuidade das ações. Quer um exemplo: pare e pense agora quantas reuniões você já participou que não geraram nenhum resultado? Se você conseguiu contar poucas, você é uma pessoa de extrema sorte. Agora se você assim como eu, perdeu as contas de quantas vezes isso já aconteceu, avalie implantar um processo de reuniões nas próximas vezes com o DNA de execução. Divida as atividades, cheque a clareza e simplicidade das metas de cada um. Criem rituais de checagem da evolução continuamente para garantir a execução do plano e, sempre conclua a lista do que foi proposto.


Dica #05 - Valorize os executores Sistemas claros de meritocracia, são fundamentais para a melhoria contínua da equipe. As premiações não necessariamente tenham que ser financeira, pode ser em forma de curso, de reconhecimento público, mas eles precisam ocorrer. As pessoas que cumprem e superam os seus objetivos precisam ser valorizadas. Caso contrário, você passará um sinal de que executar adequadamente ou não um projeto, tem o mesmo valor para você.


Por fim, ser focado em resultados é estar puramente conectado com a EXECUÇÃO.


O segredo do sucesso da sua empresa está completamente relacionada com a preocupação em transformar as estratégias em roteiros detalhados. Que possam ser avaliados e metrificados constantemente, e que ao final do dia construa um ambiente 100% conectado com o resultado. Em recente imersão no Vale do Silício foi possível identificar um padrão de comportamento de execução: Faça, Avalie e Refaça. Não tenha medo de errar. Gaste sua energia na construção do roteiro com o maior nível de detalhamento possível. Dessa forma eles conseguem identificar especificamente o ponto de correção. Mas execute. É na execução que é possível fazer testes práticos. Não deixe de executar. Se você tem uma ideia, roteiriza e execute rápido.


Não esqueça: a melhor execução é a que acontece, é a que viria realidade.


escrito por César Duro Publicado por T2B, dia 24 Out 2019

Ficou com alguma dúvida?

Fale Conosco
Estratégia